--

       

Busca Mundial

Busca  Portugalwebt

 

EUROPA    AFRICA   AMÉRICA    ÁSIA   OCEANIA                     

EUROPA

PORTUGAL

AFRICA

NORTE DE AFRICA

AFRICA OCIDENTAL

ÁFRICA ORIENTAL E G. PÉRSICO

AMÉRICA

fortificações brasileiras

A Região da Cisplatina

ÁSIA

ORIENTE

EXTREMO ORIENTE

OCEANIA

AUSTRALIA

BATALHAS

APENDICE

ALDEIAS

FOTOS

MAPAS

TEMPLÁRIOS

MONUMENTOS NACIONAIS

GLOSSÁRIO

FORTES E FORTALEZAS

S. João Baptista

S.Neutel

Forte de Crismina

S.Francisco

Forte de Santa Catarina

Fortaleza Ponta da Bandeira

Torre da Medronheira

Fortaleza de Nossa Senhora da Luz

Portugal no mundo:

FORTES E FORTALEZAS

CASTELOS DO MUNDO

BRASIL

THE LIBRARY OF IBERIAN

RESOURCES ONLINE

A SOCIETY ORGANIZED FOR WAR
IGESPAR IP

  MY CASTLE  WEB RING

AS GUERRAS CONTRA ARTIGAS (1816 E 1820 )

Terminada a campanha, a Capitania do Rio Grande continuava em p de guerra, face agitao em Montevidu, novamente sitiada por Rondeau, e a luta entre Artigas e os argentinos para exercerem soberania sobre o Uruguai. E, nesse embate, o Rio Grande do Sul foi atingido, motivando as guerras Cisplatinas de 1816-28, nas quais o Rio Grande e seu territrio foram intensamente envolvidos em razo dos seguintes interesses geopolticos:

 

  • A priso do rei D. Fernando da Espanha, por Napoleo, detonou o processo de independncia. Portugal vai chocar-se com vrios interesses geopolticos no Prata, envolvendo o territrio do Rio Grande do Sul.
  • Portugal e Brasil querem assegurar a livre navegao no rio da Prata para manter comunicao com Mato Grosso.
  • A Argentina sonha reconstituir o antigo Vice-Reinado do Prata, incluindo partes do Rio Grande do Sul, do Uruguai, Paraguai e Bolvia.
  • O Uruguai sonha com sua independncia, incluindo territrios do Rio Grande do Sul.
  • O Paraguai sonha reconstituir, independente, o antigo Imprio Teocrtico Guarani, que incluiria os Setes Povos do Rio Grande do Sul , a antiga provncia de Tape.
  • A Inglaterra tem interesses no Prata, conflitantes com os de Portugal.
  • A Espanha quer continuar no Prata mantendo o domnio sobre o atual Uruguai.

Causas:O Exrcito Pacificador de D. Diogo de Souza voltou para o Rio Grande, em 1812, em razo de armistcio imposto pela Inglaterra, celebrado entre os espanhis de Montevidu e os sitiantes orientais, e desrespeitado pelos argentinos.

No incio de 1814, Montevidu capitulou e entregou-se Argentina. O futuro oscilava entre quatro interesses conflitantes, isto , entre ser:

Provncia Argentina;

Protetorado da Inglaterra;

Nao Independente; ou

Provncia portuguesa.

Portugal optou por essa soluo, achando que uma interveno no Rio da Prata traria, no mnimo, uma definio dos limites entre Uruguai e o Rio Grande do Sul.

O governador do Rio Grande e comandante das Armas era, desde 13 de novembro de 1814, o Marqus de Alegrete - Luiz Teles da Silva Caminha e Menezes. Ao tomar conhecimento de que Artigas exercia influncia sobre os "Setes Povos das Misses" (de Portugal desde 1801), para que se unissem em torno de sua bandeira, props uma ao conta Artigas.

 

Em 1815 o Brasil foi elevado condio de Reino Unido a Portugal e Algarves.

 

Portugal, com seu governo no Rio de Janeiro, decidiu ocupar, antes que outro o fizesse, o atual Uruguai. Para tal, contaria com as tropas do Rio Grande, auxiliadas pela Diviso de Voluntrios Reais (que mandou vir de Portugal) integrada por combatentes veteranos das lutas napolenicas, e ao comando do Tenente -General Carlos Frederico Lecor.

 

O Marqus de Alegrete concentrou suas foras na Fronteira do Rio Pardo. Estimulou a defesa local das reas ameaadas, com a formao de foras irregulares (guerrilhas) e voluntrios.

8 a) A primeira Campanha contra Artigas (1816-17)

Tropas orientais, no final de julho de 1816, estabeleceram o seguinte dispositivo para invadir o Rio Grande do Sul:

 

 

 

 

No corte do Quara: Artigas, com

mil homens, prximo a Santana,

e a 18 Km a jusante, Verdun,

lugar-tenente do lder, com

forte contingente

 

No corte do Uruguai:

Andresito Artigas, filho adotivo

do lder e nascido em So

Borja, visava invadir o Rio Grande

e atacar So Borja, sede

de Comando Militar dos Sete

Povos. E, mais a jusante,

Sotelo, visando penetrar no distrito

de Entre-Rios, para domin-lo e,

a seguir, auxiliar Andresito

nas Misses.

Compare os dois planos.

Plano de Artigas

Plano Portugus

Opor-se com pequeno efetivo a Lecor

em sua marcha para Montevidu.

Com o grosso de suas foras,

levar a guerra ao Rio Grande do Sul.

Conquistar os Sete Povos das Misses.

Com os reforos a recebidos, bater

as tropas do Marqus de Alegrete.

Cair, em seguida, sobre a retaguarda

de Lecor e sua Diviso de Volunt

rios Reais.

Avanar com a Diviso de Volunt

rios Reais contra Montevidu e

principais cidades uruguaias no

itinerrio Laguna-Montevidu.

Com as tropas locais, defender nas

linhas dos rios Uruguai e

Arape, impedindo a invaso oriental

ou a sua permanncia no Rio

Grande, caso j o tivesse invadido.

Em uma 2 fase, o plano previa a

Diviso de Voluntrios Reais, partindo

de Montevidu para o norte, e a do

Rio Grande para o Sul, esmagar

Artigas, comprimindo-o numa manobra

de pina.

Ao cair em mos de um posto de fronteira portugus uma ordem de Artigas a um subordinado, tomou-se conhecimento da invaso iminente do territrio do Rio Grande. O alarma se espalhou! Foram tomadas providncias com a evacuao do que fora aconselhvel. Formaram-se, espontaneamente, corpos auxiliares de guerrilhas, inclusive dispondo de vaqueanos e bombeiros (observadores avanados).

 

A Fronteira de Rio Pardo, ao comando do Tenente- General Joaquim Xavier Curado, cerrou sobre a fronteira do Uruguai, onde concentrou sua tropa no rio Ibirabuit-Chico, de onde poderia socorrer os Sete Povos das Misses.

 

O primeiro embate aconteceu em 22 de setembro de 1816, com desvantagem para os defensores, em virtude da superioridade oriental.

 

Verdun e Sotelo invadiram o Rio Grande do Sul. A tropa, que estava ao comando do intrpido agora Tenente- Coronel Jos de Abreu, atacou Sotelo, que foi obrigado a atravessar novamente o Uruguai com pesadas perdas.

 

Andresito Artigas invadiu So Borja e foi cercado pelo Coronel Chagas Santos. Abreu repeliu nova tentativa de invaso de Sotelo. Em 27 de setembro, aps a pica travessia do Ibicu, bateu-se pela terceira vez com Sotelo, cuja coluna destruiu; marchou, clere, para So Borja sitiada e, em 3 de outubro, caiu de surpresa sobre os sitiantes, aos quais se havia reunido Sotelo. Abreu bateu Andresito e Sotelo, causando-lhes pesadssimas baixas.

 

Os dias seguintes foram de intensa perseguio. O intrpido Tenente- Coronel Jos de Abreu - o Anjo da Vitria, como passou a ser chamado, em nove dias de ao fulminante, revelando incomum energia, varreu o inimigo da margem esquerda do Uruguai e das Misses.

A seguir, o ataque recaiu sobre Verdun, que fora alcanado por fora, ao comando do Brigadeiro Joo de Deus Menna Barreto; a derrota ocorreu em 19 de outubro no combate de Ibiroca, atravs do uso de um providencial ardil: simulou retirada, o que fez o inimigo abandonar as posies para a perseguio; em seguida, uma parada brusca e um contra-ataque sobre o inimigo surpreso e desarticulado. Derrotados Sotelo, Andresito e Verdun, restava Artigas.

Em 27 de outubro, ele foi alcanado prximo a Santana, no local denominado Carumb, por tropas ao comando do Brigadeiro Joaquim Oliveira lvares. As foras de Artigas eram mais numerosas, mas as de Portugal, com a Cavalaria nas alas, a Infantaria no centro e apoiadas em duas peas, saram vitoriosas. Carumb concretizou a expulso dos invasores do Rio Grande do Sul, cuja tropa foi proibida de ultrapassar a fronteira.

 

O Marqus de Alegrete assumiu o comando; conheceu reunio de Artigas em Arape; decidiu invadir o Uruguai! Em 3 de janeiro de 1817, o agora Coronel Jos de Abreu bateu os orientais em Arape.

 

No dia 4, ocorreu o combate de Catalo. Nele, o Marqus de Alegrete liderou, em pessoa, seus comandados. Foi uma luta rdua, devido impetuosidade de Artigas. A vitria esteve por muito tempo indecisa, at que houve o ataque da Cavalaria do Coronel Jos de Abreu, lanando a Cavalaria de Latorre para longe do local da batalha.

 

Com o flanco esquerdo exposto, Artigas foi rapidamente batido. Buscou abrigo na margem direita do rio Uruguai, onde dispunha de cavalos, bovinos e demais condies de apoio para produo de itens blicos.

Foi ento que o Marqus de Alegrete determinou ao Brigadeiro Chagas Santos que organizasse, a partir de So Borja, uma expedio para destruir as bases logsticas de Artigas, com vistas a novas invases do Rio Grande.

 

Assim, de 14 de janeiro a 13 de maro de 1817, o j citado Brigadeiro, frente de uma coluna de trs armas, demoliu e saqueou as povoaes de Japeju, La Cruz, So Tom, Santa Maria, So Xavier, Mrtires e Conceio, alm das povoaes de So Jos, Apstolos e So Carlos.

 

Mas, em que pese a essa operao de destruio das bases de partida de Artigas contra as Misses, permaneceu intacta a povoao de Apstolos, onde Andresito reuniu importante contingente. Mais uma vez, Chagas Santos atravessou o Uruguai, mas foi repelido e retornou a So Borja.

 

Artigas conseguiu ainda reunir dois exrcitos: um lanado ao comando de Ramrez contra Buenos Aires; o outro, a seu comando, concentrou prximo de Santana, por onde lanaria sua ltima cartada.

 

No entanto, a Diviso de Voluntrios Reais prosseguia sobre o litoral. Em 10 de novembro de 1816, combateu na ndia Mueta. Em 1 de dezembro, em Cassup; em 20 de janeiro de 1817, a Diviso de Voluntrios Reais entrou em Montevidu, precedida de destacamentos da Capitania do Rio Grande do Sul, 16 dias aps a decisiva batalha de Catalo.

8 b)A segunda campanha contra Artigas 1820

O conde da Figueira, novo governador da Capitania sulina, concentrou suas foras em Baj, para dali auxiliar as foras de Montevidu, seguindo ordens do Rio.

O conde soube que Andresito Artigas invadira as Misses, em abril de 1819, frente de 2 mil homens, pelo passo de Santo Isidoro, e que se apoderara dos povos de So Lus Gonzaga e So Nicolau.

 

 

 

O Mal. Chagas Santos despachou contra ele uma fora ao comando do Coronel Diogo Moraes de Arouche Lara. Reunindo-se a Arouche Lara, o Brigadeiro Chagas Santos atacou So Nicolau. E foram repelidos, morrendo na ao o Coronel Arouche Lara da Legio de So Paulo.

 

O Conde da Figueira socorreu as Misses. Operou juno com o Brigadeiro Chagas Santos. Em 3 de junho de 1819, atingiu So Nicolau, j abandonada por Andresito.

 

Ordenou ao Coronel Jos de Abreu que perseguisse Andresito junto margem esquerda do Piratini (das Misses). Destacou uma fora para uma possvel limpeza de inimigos aos povos de So Miguel, So Loureno, So Joo e Santo ngelo.

Andresito, ao deixar So Nicolau, rumou para o sul com o fim de juntar-se a Artigas. Foi surpreendido e preso por uma patrulha quando tentava atravessar o Uruguai, aps ter sido completamente destroado prximo ao Rinco do Carovi, pelo Coronel Jos de Abreu. Foi remetido preso para fortaleza de Santa Cruz no Rio. Anos mais tarde voltou a Montevidu, onde faleceu. Sua priso foi um duro golpe para Artigas que perdeu um de seus melhores comandantes.

Assim, as Misses ficaram livres da segunda invaso. Aps expulsar os invasores das Misses, o conde de Figueira enviou o Coronel Jos de Abreu para guarnecer a linha do rio Arape e deslocou a fora, que estava em Baj, para Las Canas. Mandou guarnecer a atual Jaguaro. O Tenente General Manoel Marqus de Souza, desde abril, guarnecia o forte de Santa Teresa.

 

Os guerrilheiros Bento Gonalves da Silva, Albano de Oliveira, Bento Manoel Ribeiro, Jernimo Gomes Jardim e outros, atravs de diversas aes, tiveram destacada atuao, minando o poder de Artigas e Rivera no Uruguai.

 

O conde da Figueira, sabedor desde outubro de 1818, que Artigas, com numerosa fora, retornara ao Uruguai, determinou o seguinte dispositivo das foras da Capitania:

 

  • manter ocupada Santa Teresa;
  • manter a vigilncia da fronteira Rio Grande - Uruguai;
  • manter o Brigadeiro Jos de Abreu no corte de Arape;
  • concentrar prximo a Itaquati e Cunha Peru aprecivel contingente ao comando do Brigadeiro Bento Correia da Cmara, em condies de apoio mtuo com o agora Brigadeiro Jos de Abreu (juntos somavam 900 homens);
  • ficar em Porto Alegre em condies de acudir ao primeiro chamado, enquanto se aguardava esquadra de Cadiz.

Em janeiro de 1820, Artigas (aps ser pressentido por Jos de Abreu em seu acampamento em Taquaremb, prximo a Santana) invadiu o Rio Grande, obrigando ao Brigadeiro Jos de Abreu, em inferioridade de meios, a retirar-se com pesadas perdas para o passo do Rosrio, onde foi acolhido pelo Brigadeiro Correia Cmara, aps pica retirada.

 

No dia 27 de dezembro, Correia Cmara e Abreu atacaram, no vale do Ibicu da Armada, uma tropa de Cavalaria inimiga que se recolheu com pesadas perdas para o acampamento oriental em Taquaremb. O conde da Figueira, em manobra fulminante, deslocou-se de Porto Alegre com reforos para assumir, pessoalmente, o comando. Com a mesma rapidez, lanou-se sobre um contingente inimigo que arreara mais de 1 mil vacuns do territrio que haviam invadido. Bateu o inimigo e recuperou a tropa valiosa. Prisioneiros revelaram-lhe que o exrcito de Artigas estava acampado nas nascentes do Taqueremb-Chico. Ento, cerrou para Itaquati.

 

A posio artiguista era forte. A frente era protegida por um banhado profundo e, nos flancos, por um meandro do Taquaremb, com margens altas.

 

Em 20 janeiro de 1820, sob o comando direto do conde da Figueira, aconteceu o ataque. Jos de Abreu irrompeu atravs do banhado e atacou a frente inimiga. Correia Cmara caiu sobre um flanco, aps atravessar o Taquaremb. O comandante inimigo, Latorre, vendo a ameaa, atravessou em vrios pontos o Taquaremb, sob perseguio. O conde da Figueira, de espada em punho, lanou-se luta, animando seus liderados. Em pouco tempo, o inimigo foi vencido.

 

Artigas, fazia algum tempo, j se retirara de Taquaremb. Com alguns liderados, dirigira-se para Curuzu-Quatia ( Corrientes).

 

Complicaes polticas nas antigas provncias platinas terminaram por obrigar Artigas a se exilar no Paraguai, em setembro de 1820, de onde no mais retornou.

 

O Uruguai terminou sendo incorporado, em31 de julho de 1821, ao Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves, com o nome de Provncia Cisplatina.

Em funo dessa guerra, foram estabelecidos os atuais limites do Rio Grande do Sul com Uruguai, que at hoje permanecem, a exceo de modificao no Chu, em 1909.

Exerccio

Citar os interesses argentinos na guerra que o Brasil moveu contra Artigas.

 
 
 

Guarda Almada    Castelos    Seixal    Sesimbra  Palmela  Arqueologia   Historia Portugal no mundo

intercâmbio    Contactos    Publicidade

Copyright © Ptwebs.