AÇORESMADEIRAALENTEJOALGARVEBEIRA INTERIORBEIRA LITORALMINHORIBATEJOESTREMADURATRÁS OS MONTES

  Googl 

Busca Mundial Busca  Portugalweb.net

INDEX

APENDICE:

ALDEIAS

FOTOS

MAPAS

TEMPLÁRIOS

MONUMENTOS NACIONAIS

GLOSSÁRIO

FORTES E FORTALEZAS:

S. João Baptista

S.Neutel

Forte de Crismina

S.Francisco

Forte de Santa Catarina

Fortaleza Ponta da Bandeira

Torre da Medronheira

Fortaleza de Nossa Senhora da Luz

Portugal no mundo:

FORTES E FORTALEZAS

Fortalezas de Portugal

CASTELOS DO MUNDO

BRASIL

 Discover the castles of the Algarve
THE LIBRARY OF IBERIAN

RESOURCES ONLINE

A SOCIETY ORGANIZED FOR WAR
 

  MY CASTLE  WEB RING


pordata

BRASIL500

Casa para férias na Guarda

 

 
O castelo de Penas Roias é uma fortaleza medieval que foi pertença dos Templários, mas que  actualmente se resume a pouco mais que uma torre alcantilada, de planta quadrangular com 5 metros de lado, de aparelho simples à base de xisto quartzítico misturado com argamassa. A cantaria predomina nas janelas existentes a sul e a este. A porta situa-se a oeste, a cerca de seis metros de altura, e é  igualmente feita de cantaria. No lintel podemos observar a cruz pátea templária com a seguinte inscrição: "Gualdim Pais, mestre geral dos Templários, mandou fazer o castelo de Pena Roia, iniciando os trabalhos a 4 das Calendas de ... era de 1204 sendo freires assistentes frei João Francisco ...". A estrutura frágil da torre não permite o acesso à mesma. Perto dela existe uma pequena torre circular com uma base em talude de execução recente.

Castelo de Penas Róias

 

Imponência da Torre

 

Localização:

 

Distrito: Bragança

Concelho: Mogadouro

Lugar: Penas Róias

Região: Trás os Montes e Alto Douro

Área Turístico-Promocional: Montanhas

 

Caracterização:

·        Área: 

 

O concelho do Mogadouro:

 

Tem aproximadamente de 755,83 Km2

Penas Róias é uma das freguesias de Mogadouro. 

  • Densidade populacional do concelho: 

População (habitantes): 12188

Densidade Populacional: 16,2 Habitantes/ Km

  • Propriedade: 

 

Utilização Inicial: Militar

Utilização Actual: Devoluto

 

Pública: estatal

 

Entidade Responsável:

Entidade Responsável: Instituto Português Património Arquitectónico e Arqueológico

(Palácio Nacional da Ajuda

1300 LISBOA

Tel.: 213 620 264    Fax.: 213 648 223

 

·        Distância face a outros aglomerados urbanos:

 

10 Km Mogadouro

20 Km Sendim

15 Km Algoso

 

Dias de visita: 

Todos os dias pois está sempre aberto, devido ao seu estado de degradação é impossível controlar as visitas.

 

Horário: 

Pode ser visitado a qualquer hora e a qualquer dia da semana.

 

Preço: 

A entrada é gratuita

 

N.º de visitantes ano:

Não estão contabilizados pois não há um controle do numero de visitas, não há venda de bilhetes, não está lá ninguém para nos receber logo qualquer pessoa o pode ir visitar sem que as entidades locais tomem conhecimento.

 

 

 

 

 

 

Elementos Históricos: 

 

Pouco ou nada se sabe do passado desta povoação do concelho de Mogadouro. Pensa-se que terá tido fundação lusitana e que foi posteriormente ocupada por romanos e muçulmanos.

Quando a fortaleza romana caiu em poder dos cristãos, o rei de Leão doou-a à Ordem dos Templários, que se encarregou de a repovoar e defender, reedificando a fortaleza romana.

Durante o reinado de D. Sancho I, foi novamente repovoada a vila de Penas Róias, passando a concelho.

Mais tarde, em 1319, D. Dinis transferiu a povoação para a Ordem de Cristo, sendo provável que lhe tenha também mandado restaurar as muralhas e o castelo.

O castelo ergue-se a cerca de 80 metros da aldeia de Penas Róias, com acesso por caminho sinuoso e pedregoso que se situa a Este. único ponto que necessitaria de defesa mais cuidada.

A aldeia de Penas Róias possuía um sistema defensivo bastante humilde. Era constituído por uma cerca amuralhada com quatro cubelos (dois facetados e dois cilíndricos) e uma torre quadrangular no centro da praça de armas, à qual se acedia por uma única porta, bem defendida.

Actualmente, apenas resta uma torre do que em tempos fora um importante castelo Templário.

Do monte onde se levantava o castelo e onde existem hoje restos de muros e cubos medievais, pode admirar-se a linda paisagem que, entre outras coisas, inclui a igreja de Azinhoso e, mais ao longe, Mogadouro.

 

Cronologia:

1166 - Início da construção do castelo de Penas Róias; a mando de Gualdim Pais, Mestre Geral dos Templários; 

1258 - Inquirições de D. Afonso III sobre o local; 

1272 - Concedido foral por D. Afonso III a Penas Róias e Mogadouro; 

1273 - Nova concessão de foral a Penas Róias por parte de D. Afonso III; 

1512 - D. Manuel dá Foral Novo; 

1977 - Descobertos restos de colunas quando se lavrava a terra.

 

Tipo de Arquitectura:

O castelo de Penas Róias é uma fortaleza militar medieval que foi pertença dos Templários, mas que actualmente se resume a pouco mais que uma torre alcantilada, de planta quadrangular com 5 metros de lado, de aparelho simples à base de xisto quartzítico misturado com argamassa.

A cantaria predomina nas janelas existentes a sul e a este. A porta situa-se a oeste, a cerca de seis metros de altura, e é  igualmente feita de cantaria. No lintel podemos observar a cruz pátea templária com a seguinte inscrição: “Gualdim Pais, mestre geral dos Templários, mandou fazer o castelo de Pena Roia, iniciando os trabalhos a 4 das Calendas de ... era de 1204 sendo freires assistentes frei João Francisco ...”.

A estrutura frágil da torre não permite o acesso à mesma. Perto dela existe uma pequena torre circular com uma base em talude de execução recente. 

Acesso Pedonal e automóvel ao local.

 

Intervenção Realizada:

DGEMN:

1977 / 1978 - consolidação das muralhas, da base do lado Norte da torre e fechamento das juntas das paredes da torre de menagem.

 

Relação histórica e cultural com castelos vizinhos: 

Os Castelos aos quais o de Penas Róias está infimamente ligado é aos castelos de Algoso, Mogadouro e Miranda do Douro bem como, embora mais deslocado com o de Bragança, constituindo no seu conjunto o núcleo duro do Nordeste transmontano.

No castelo de Algoso residia o representante do rei que arrecadava os direitos reais em terra de Miranda e Penas Róias.

Certos pormenores levam à conclusão de que houve uma certa pressa na edificação. Esta torre / castelo fazia com Vimioso e Mogadouro um sério conjunto defensivo

Pelo seu tipo a torre de Penas Róias é semelhante à de Idanha-a-Velha e neste caso seria mais uma torre de Atalaia.

 

Outras Informações: 

 

Contactos:

v     Região de Turismo do Nordeste Transmontano

Largo do Principal

5300-054 Bragança

Tel.: 273 331 078    Fax.: 273 331 913

v     Câmara Municipal de Mogadouro

Tel.: 279 341 310    Fax.: 279 341 874

(www.cm-Mogadouro.pt)

v     Posto de Turismo 

Largo de S.Cristo,

Tel.: 279 343 847

 

Bibliografia: 

 

ALMEIDA, João de, Livro das Fortalezas de Duarte Damas, Editorial Império, Lda., Lisboa, 1943.

 

ALVES, Francisco Manuel, Memórias Arqueológico-Históricas do Distrito de Bragança, Bragança, 1990.

 

Guia de Portugal - Trás-os-Montes e Alto Douro II, Lisboa, 1988.

 

LOPO, Albino dos Santos Pereira, Apontamentos Arqueológicos, Braga, 1987.

 

Sites da Internet:

Direcção Geral dos Monumentos Nacionais (www.monumentos.pt)

 

Desdobráveis de promoção turística

 

 

 

Casa para férias na Guarda

 

Casa para férias na Guarda

 
     CASTELOS NO MUNDO
  

Setubal   Guarda   Almada    Castelos  Seia  Seixal    Sesimbra  Palmela  Arqueologia   Historia        Portugal no mundo

intercâmbio  ttt   Contactos    Publicidade

Copyright © swspt.

 

 


Buy Direct Text Link Ads at Direct-Link-Ads