AÇORESMADEIRAALENTEJOALGARVEBEIRA INTERIORBEIRA LITORALMINHORIBATEJOESTREMADURATRÁS OS MONTES

  Googl 

Busca Mundial Busca  Portugalweb.net

INDEX

APENDICE:

ALDEIAS

FOTOS

MAPAS

TEMPLÁRIOS

MONUMENTOS NACIONAIS

GLOSSÁRIO

FORTES E FORTALEZAS:

S. João Baptista

S.Neutel

Forte de Crismina

S.Francisco

Forte de Santa Catarina

Fortaleza Ponta da Bandeira

Torre da Medronheira

Fortaleza de Nossa Senhora da Luz

Portugal no mundo:

FORTES E FORTALEZAS

Fortalezas de Portugal

CASTELOS DO MUNDO

BRASIL

 Discover the castles of the Algarve
THE LIBRARY OF IBERIAN

RESOURCES ONLINE

A SOCIETY ORGANIZED FOR WAR
 

  MY CASTLE  WEB RING


pordata

BRASIL500

Casa para férias na Guarda

 

 
Cacela Velha
Sob o domínio muçulmano, a partir do século VIII, Cacela foi uma povoação relativamente importante do litoral algarvio. Era defendida por um castelo e estender-se-ia até à praia, apresentando um cariz marítimo-agrícola. O seu nome seria Hisn-Kastala, Qastallat Dararsh, Cacetalate ou Cacila (prado ou pastagem de gado), donde derivaria o nome actual. O geógrafo árabe Al-Idrisi, no início do século XII, dizia estar Cacela bem povoada, nela havendo muitas hortas e campos de figueiras. Dela era natural o poeta, de origem berbere, Abu Amer Ahmede ibne Mohamede ibne Darrague Alcacetali (958-1030), que foi secretário da chancelaria de Almançor.

Em 1240 foi tomada pela primeira vez aos Mouros por D. Sancho II. Perdida de novo, retomou-a definitivamente D. Paio Peres Correia, Mestre de Sant'Iago, em 1242. Em 20 de Fevereiro de 1255, D. Afonso III confirmou a doação à Ordem de Sant'Iago da vila e seu castelo (um dos sete castelos do escudo de Portugal), sendo Cacela cabeça de comenda. Em 1272, a ordem de Sant'Iago renuncia a essa doação.

Nessa época, Portugal e Castela reivindicavam o território algarvio. Apenas com o tratado de Badajoz de 16 de Fevereiro de 1267 ficou definitivamente legitimada a integração do reino do Algarve, e consequentemente de Cacela, em Portugal. A fronteira leste do Algarve apenas ficou definida mais tarde, em 1297, com o tratado de Alcañices.

D. Dinis concedeu-lhe foral em 17 de Julho de 1283 e estabeleceu o concelho de que Cacela era a sede. No concelho estavam integradas parcelas das actuais freguesias do Azinhal e Odeleite.

Embora mantendo actividades ligadas ao mar, ter-se-á verificado ao longo dos tempos a disseminação da população de Cacela por quintas e fazendas das ricas terras agrícolas que se estendem até à serra. Esta tendência ter-se-á acentuado sobretudo a partir da época dos Descobrimentos. O constante perigo de ataques de corsários terá contribuído também para esse movimento, adquirindo Cacela um cariz marcadamente rural.

Documento de 1465 refere não haver casas para além do castelo em que o comendador morava. Desenho de 1617 mostra um núcleo urbano constituído por fortaleza, igreja, casas do prior, casa da câmara e pelourinho. Os habitantes viviam fora da vila. De 1621 chega-nos a "Relação e Traça da Vila de Cacela", de Alexandre Massai.

Com o terramoto de 1 de Novembro de 1755, "na Villa de Cacela (...) se arruinou a Matriz, a Misericordia, as Cazas da Camara; e á Fortaleza visinha cairam os baluartes contanta violencia, que arrojaram á praia os canhoes montados" [in "Relaçam do terramoto do primeiro de Novembro do anno de 1755. Com os effeitos, que particularmente cauzou neste Reino do Algarve"].

A "Carta topográfica dos baldios e terras incultas do termo da vila de Casella (...) 1775" mostra um núcleo urbano constituído por igreja, fortaleza, pelourinho, casas do padre, câmara e cadeia e casas do governador.

No quadro de uma reforma político-administrativa do Algarve, a câmara de Cacela é abolida em 12 de Dezembro de 1775 por decreto de D. José I, sendo o seu território unido ao da recém-criada Vila Real de Santo António. O priorado de Cacela, com a respectiva comenda, havia já sido transferido para Vila Real de Santo António no ano anterior. Em 1784 (?) foi criada a Freguesia de Cacela, por desmembramento da freguesia de Vila Real de Santo António.

Em 24 de Junho de 1833 deu-se o desembarque em Cacela, em plena guerra civil, de uma pequena força liberal de cerca de 2500 homens sob o comando do duque da Terceira. O desembarque terá tido lugar junto à Torre Velha (sítio do Alto), no extremo leste da freguesia, num local aproximadamente equidistante da fortaleza de Cacela e do antigo forte do Cabeço (Praia Verde). A força liberal após atravessar todo o Algarve e Alentejo, iludindo o exército miguelista, entrou triunfante em Lisboa exactamente um mês depois, em 24 de Julho.

Em 1840, para além da igreja, das ruínas dos antigos paços do concelho e das residências do pároco e sacristão, o número de moradias não ia além de seis. No início do presente século, o número de fogos não ultrapassaria os 20, número que não sofreu grande alteração até aos dias de hoje.

Emília Pinto  
 

 

 

Casa para férias na Guarda

 

Casa para férias na Guarda

 
     CASTELOS NO MUNDO
  

Setubal   Guarda   Almada    Castelos  Seia  Seixal    Sesimbra  Palmela  Arqueologia   Historia        Portugal no mundo

intercâmbio  ttt   Contactos    Publicidade

Copyright © swspt.

 

 


Buy Direct Text Link Ads at Direct-Link-Ads