AÇORESMADEIRAALENTEJOALGARVEBEIRA INTERIORBEIRA LITORALMINHORIBATEJOESTREMADURATRÁS OS MONTES

  Googl 

Busca Mundial Busca  Portugalweb.net

INDEX

APENDICE:

ALDEIAS

FOTOS

MAPAS

TEMPLÁRIOS

MONUMENTOS NACIONAIS

GLOSSÁRIO

FORTES E FORTALEZAS:

S. João Baptista

S.Neutel

Forte de Crismina

S.Francisco

Forte de Santa Catarina

Fortaleza Ponta da Bandeira

Torre da Medronheira

Fortaleza de Nossa Senhora da Luz

Portugal no mundo:

FORTES E FORTALEZAS

Fortalezas de Portugal

CASTELOS DO MUNDO

BRASIL

 Discover the castles of the Algarve
THE LIBRARY OF IBERIAN

RESOURCES ONLINE

A SOCIETY ORGANIZED FOR WAR
 

  MY CASTLE  WEB RING


pordata

BRASIL500

Casa para férias na Guarda

 

 
 
 Portalegre

Portalegre foi sempre terra de El-Rei, recebendo o seu primeiro foral no reinado de D.Afonso III (1259). O recém-constituído concelho era doado a seu filho bastardo D.Afonso Sanches.

No reinado de D.Dinis, por Carta Régia de 18 de Novembro de 1299, foi determinado que Portalegre não seria doado nem a infante, nem a rico-homem, nem a rica dona, mas ser d'El rei e de seu filho primeiro e herdeiro.

A 23 de maio de 1550, D.João III, Portalegre é elevada a cidade e, no mesmo ano, a sede de bispado, desanexada que foi do Bispado da Guarda - na prática, reconhecia-se Portalegre como importante centro administrativo e económico.

Com efeito, Portalegre era já desde o século XV conhecido pelas suas manufacturas de panos.

Zona fronteiriça por excelência, desde sempre sofreu investidas de tropas estrangeiras: em 1704 durante a Guerra de Sucessão de Espanha foi atacada e conquistada pelo exército de Felipe V; de novo em 1801 durante o episódio da Guerra das Laranjas, rendeu-se ao exército espanhol, aderindo à revolta contra o domínio francês. Finalmente, já no período liberal, durante as lutas cabralistas, foi ocupada por forças do general espanhol Concha (1847).

A importância de Portalegre a nível administrativo viria a ser reconhecida em 1859 ao tornar-se capital de distrito.

A antiga PORTUS ALACER foi em tempos remotos um porto seco para efeitos alfandegários.
D. Afonso III fê-la repovoar dando-lhe foral em 1259 e doando-a a seu filho D. Afonso Sanches, a 11 de Novembro de 1271.A proximidade com a fronteira espanhola levou D. Dinis em 1290 a reconstruir o castelo.

Portalegre foi elevada à categoria de cidade no reinado de D. João III, no ano de 1550 e a sede de Bispado. No séc. XVIII assiste-se a um forte crescimento económico que a torna possuidora de um património arquitectónico riquíssimo. Assim sendo, Portalegre encerra um conjunto notável de património edificado:

- Portas de Alegrete e da Devesa ( sécs. XIII-XIV);
- Castelo - Três Torres (sécs. XIII-XIV-XVI);
- Convento de S. Francisco (sécs. XIII-XVI-XVIII);
- Igreja do Espírito Santo (sécs. XIV-XVI-XVII-XVIII);
- Convento de Sta. Clara (sécs. XIV-XV-XVI-XVII-XX) - actual Biblioteca Municipal;
- Casa Nobre D. Nuno de Sousa - janelas manuelinas (séc. XVI);
- Consistório e Igreja da antiga Misericórdia (séc. XVI) - actual Conservatório Regional de Música;
- Igreja de Santiago (sécs. XVII-XVIII)
- Sé Catedral (sécs. XVI-XVII-XVIII);
- Paço Episcopal (sécs. XVI-XVIII);
- Antigo Seminário (sécs. XVI-XVIII), actual Museu Municipal;
- Mosteiro de S. Bernardo (sécs. XVI-XVII-XVIII);
- Colégio de S. Sebastião (séc. XVII);
- Convento de Sto. Agostinho (séc. XVII);
- Calvário (sécs. XVII-XVIII);
- Igreja de S. Lourenço (sécs, XVII-XVIII);
- Fachada da Igreja da Misericórdia (séc. XVIII);
- Palácio Avillez (séc. XVIII), actual Governo Civil;
- Palácio Achioli (séc. XVIII), actual Escola Superior de Educação;
- Igreja do Sr. do Bonfim (séc. XVIII);
- Palácio Barahona (sécs. XVIII-XIX), actual Arquivo Distrital de Portalegre;
- Fonte da Boneca (séc. XIX);
- Colégio de S. Sebastião (séc. XVII) - edifício da Manufactura de Tapeçarias de Portalegre
- Em todo o centro histórico encontram-se casas nobres e solarengas dos sécs. XVII e XVIII, que dominam a arquitectura da cidade.
- Em Alegrete: ruínas do castelo e cerca amuralhada do burgo medieval (séc. XIV); Igreja S. João Baptista (sécs. XVI-XVIII); Igreja da Misericórdia (séc. XVII) e Torre do Relógio (séc., XVII);
- Em Carreiras: calçada medieval
- No Reguengo: Igreja Paroquial de S. Gregório (séc. XVIII); Casa Nobre da Quinta da Lameira (séc. XVIII); Igreja de S. Mamede (sécs. XVI-XVII)
- Em Ribeira de Nisa : Igreja Paroquial de N. Sra. da Esperança e Cruzeiro (séc. XVII)

Muralhas do Castelo de Portalegre / Fortificações de Portalegre

Localização Administrativa: Distrito de Portalegre, concelho de Portalegre, freguesia de Sé.

Localização Cartográfica:  Lat. 43ºN/ Long 36ºW.

Torre de menagem em forma de quadrilátero irregular.
Porta de entrada nas fortificações do castelo.
Escada de madeira de acesso à torre de menagem.

Património Classificado pelo IPPAR como MN com o nº12140900006, como Muralhas do Castelo de Portalegre/ Fortificações de Portalegre.

Decreto nº 8217/ DG 130 de 29d Junho de 1922

Caracterização: 

                      área da povoação:446m2

                      densidade populacional: 27.701 dos quais 13.617 são homens

                      propriedade pública:

                      distância em tempo e km a Lisboa – aproximadamente 2,5h/ 218Km

                      distância em tempo e Km ao Porto aproximadamente-3,5h/ 327Km

                      distância em tempo e Km a Coimbra – aproximadamente 3h/´223Km

Horário de atendimento:10.00h/12.00h-14.00h/17.00h.

Encerra aos Domingos e 2ª Feiras.

Preço de entrada:1,50€ ( descontos para grupos escolares)

Festas, Festivais, Feiras e Romarias:

Janeiro - ( última 4ª Feira ) - Feira dos Porcos.

Maio - ( 1º domingo ) - Fortios - Festa de Nª Sª dos Aflitos

Maio - ( 2º domingo ) - Festa de Nª Sª da Penha

             ( dia 23 ) - Feriado Municipal - Festas do concelho

             ( último domingo ) - Festa dos Aventais - Serra de Portalegre.

Junho - (dias 5,6 e 7) - Festas da Cereja

              ( 2º fim de semana ) em Carreiras - Festa das Carreiras.

Julho - ( dias 24 e 25 ) - Festas da Alagoa.

Agosto - ( 1º domingo )  - Festas de S. Cristovão

                ( 1º fim de semana ) - Festa de Fortios

                 ( dia 15 ) - Alegrete - Festas de Alegrete

                 ( dia 15 e 16 ) - Urra - Festa de NªSª das Mercês

                 ( último domingo ) - Ribeira de Nisa -  Festa de NªSª da Esperança

Setembro - ( 1º fim de semana ) - Festa de NªSª dos Remédios

                    ( dia 13 a 15 ) - Feira das Cebolas

                    ( dia 25 e 26 ) - Festa de NªSª do Bonfim

Mercados Mensais - 2ª quarta feira

Feiras Mensais de Velharias - Último sábado.

Agenda Regional e Eventos

Maio - FERPOR - Feira de Actividades Económicas

Junho/ Julho / Agosto / Setembro

Feiras de Artesanato e Gastronom

Contactos :

     C. M. de Portalegre: tel. 245300120

     Região de Turismo de S. Mamede/ Alto Alentejo Tel:245300770 ,  

     Fax:245204053

www.cm-portalegre.p;

cmportalegre@mai.telepac.pt

www.alentejodigital.pt/portalegre

Fortificação do castelo.
Uma das ruas da cidade de Portalegre junto ao castelo.

História:

Portus Alacer A lenda deu-lhe berço romano, mas é na Idade Média  que a história a supreende. Portus Alacar, um porto seco, uma passagem da montanha que se organiza em vila e concelho no séc XIII. À formosura do lugar, à pródiga natureza da encosta que a abraça, virada ao sol, deve Portalegre o seu nome. Da sua infância gótica resta a grande mole do seu casteloe a cerca urbana ( de Afonso III e D. Dinis).

A cidade ostenta-se  agora pela arquitectura civil barroca, ostentando grande número de solares brasonados do séc. XVII e XVIII, a par de incontáveis prédios de feição burguesa no mesmo estilo: um dos mais importantes conjuntos do país.

O começo da história documentada desta vila, começa com o registo de dois factos militares: a construção do castelo pelo filho de D. Afonso III, o rei D. Dinis e pelo litígio entre este e o seu irmão, o Infante D. Afonso, o primeiro a aproveitar-se da obra defensiva do irmão, que lhe permitiu fazer-se forte em Portalegre. As muralhas , edificadas, por D. Dinis, posteriormente modificadas, eram reforçadas por doze torres. A torre de menagem , enriquecida no seus dois andares por janelas, portas e abóbadas góticas. Em frente desta torre, conserva-se parte do que seria a praça das amas , com das fortes torres nos ângulos das cortinas casteleiras e vestígios de edificações. Envolvidos nas guerras da Sucessão de Espanha em 1704 partidários hispano-franceses tomam Portalegre. Cento e quatro anos depois, apesar dos grandes efectivos militares franceses estacionados no Alentejo, Portalegre ergue-se corajosamente e patrioticamente contra os ocupantes napoleónicos.

Utilização actual: devoluta / turística e cultural.

Planta da cidade

planta do castelo

Porta do piso térreo emparelhada, funcionava como porta de traição.

Características particulares: A cerca urbana sobreviveu, em grande parte, às transformações da cidade, apresentando duas portas,” in situ”, com alguma monumentalidade.

Tipologia: arquitectura militar

Alojamento: Hotel D. João III, tel:2453392, fax:245330444;

Quinta das Varandas, tel:24520108,

Parque de Campismo da Orbitur, tel:245202848 .

Impacto Turístico:

O seu estado de conservação é bastante aceitável, daí não ser de todo inaceitável pensar-se na hipótese de transformar este espaço, como muitos outros, em pousada e ser incluído no programa da INATUR das pousadas de Portugal.

É mais uma forma de tão rico património como o é o de Portugal, ser dado a conhecer, para além de poder também ser divulgado, mas com as devidas contenções, a tal sustentabilidade que de momento tanto se fala em tão na moda está! e porque não?

Todo aquele ambiente medieval poderia ser recordado por todos quanto sensíveis são as estas coisas relacionadas pelos ancestrais antepassados. Portalegre é já uma cidade bastante visitada, neste Norte Alentejano. De história e cultura rica transmitem as suas pedras tanto das fortalezas como das calçadas, para além dos palacetes toda uma mensagem que nos leva de volta a D. Dinis em 1299 monta cerco a Portalegre ajudado por cavaleiros do Templo e de Aviz. ou até 1259, quando D. Afonso III, concede foral à povoação.

Bibliografia:

Barbosa, Inácio de Vilhena , As Cidades e as Vilas da Monarquia Portuguesa com Brasões de Armas, vol.3, Lisboa;

Dicionário Enciclopédico da História de Portugal, Publicações Alfa, volume I e II

Folhetos informativos da DG dos Edifícios e MN( Inventário do Património Arquitectónico );

Gil, Júlio, Os Mais Belos Castelos de Portugal, Editorial Verbo, 1986.

Keil, Luís, Inventário Artístico de Portugal, Distrito de Portalegre, Lisboa, 194;

Sotto Mayor, Diogo Pereira, Tratado da Cidade de Portalegre, Portalegre, 1984;

 Silva, Aurélio Nunes, Portalegre na História Militar de Portugal, 1950;

-"CASTELOS DE PORTUGAL" - CD interactivo, Correio da Manhã, 1999

- "A GLORIOSA HISTÓRIA DOS MAIS BELOS CASTELOS DE PORTUGAL", Portucalense Editora, 1969

Sites:

www.monumentos.pt/

www.cm-portalegre.p;

cmportalegre@mai.telepac.pt

www.alentejodigital.pt/      

 

 

Casa para férias na Guarda

 

Casa para férias na Guarda

 
     CASTELOS NO MUNDO
  

Setubal   Guarda   Almada    Castelos  Seia  Seixal    Sesimbra  Palmela  Arqueologia   Historia        Portugal no mundo

intercâmbio  ttt   Contactos    Publicidade

Copyright © swspt.

 

 


Buy Direct Text Link Ads at Direct-Link-Ads