AÇORESMADEIRAALENTEJOALGARVEBEIRA INTERIORBEIRA LITORALMINHORIBATEJOESTREMADURATRÁS OS MONTES

  Googl 

Busca Mundial Busca  Portugalweb.net

INDEX

APENDICE:

ALDEIAS

FOTOS

MAPAS

TEMPLÁRIOS

MONUMENTOS NACIONAIS

GLOSSÁRIO

FORTES E FORTALEZAS:

S. João Baptista

S.Neutel

Forte de Crismina

S.Francisco

Forte de Santa Catarina

Fortaleza Ponta da Bandeira

Torre da Medronheira

Fortaleza de Nossa Senhora da Luz

Portugal no mundo:

FORTES E FORTALEZAS

Fortalezas de Portugal

CASTELOS DO MUNDO

BRASIL

 Discover the castles of the Algarve
THE LIBRARY OF IBERIAN

RESOURCES ONLINE

A SOCIETY ORGANIZED FOR WAR
 

  MY CASTLE  WEB RING


pordata

BRASIL500

Casa para férias na Guarda

 

 
VILA DO CONDE
1. A história de Vila do Conde começa propriamente ao longo do séc. VIII
a.C., no monte sobranceiro ao rio Ave, com povoamento do castro por uma
comunidade celta. Era gente que se dedicava ao pastoreio, à criação de
gado e à pescaria.


2. Depois do século III a. C., é o início da colonização romana. A
população
desloca-se para as terras baixas à volta do monte. É então que esta área
se constitui em vila, ou seja, grande propriedade de um qualquer senhor de
Roma aqui residente, ou algum senhor natural, rico e romanizado.


3. Entre os séc. V e VI da nossa era, chegam os Suevos e cresce a
comunidade dos cristãos à volta de uma pequena igreja dedicada a S. João
Apóstolo, no alto do Monte. Vêm também os Árabes e a Reconquista
Cristã (a partir do século VIII) passa por aqui.
O conde que dá o nome à povoação terá sido Vímara Peres, o senhor de
Guimarães e do Porto,
cidades com as quais Vila do Conde forma o triângulo estratégico de defesa
e consolidação do litoral portucalense. Neste período de inseguranças,
a senhora da Vila, de nome Flámula, faz doação da terra ao
mosteiro de Guimarães (século X). A terra era de camponeses e
pescadores do rio e do mar, a viver entre dois pólos: a igreja de S.João
no Monte e a ermida de S.Julião, na foz do rio (século XI).



4. Quando chega o século XIII, a Vila era uma terra reguenga, na sua maior
parte. O rei D.Sancho faz doação dela à Dona Maria Pais Ribeiro, sua
amante. Vila do Conde é, agora, um senhorio feudal com gente serva que
pagava tributos em géneros e serviços à senhora Ribeirinha e seus
descendentes.


Igreja ainda com o aqueduto a contornar-la.
5. No decurso dos séculos XIII e XIV, Vila do Conde ganha a sua primeira
configuração urbana. Vai construir-se o Mosteiro por ordem de D. Afonso
Sanches, marido de D. Teresa Martins. Em oposição a este centro de vida
feudal, cresce um núcleo urbano de burgueses mercadores que enriquecem no
comércio da Flandres, e de entre si sai uma Vereação que, na Praça Velha,
assume um governo de autarquia.
Vigora ainda a feudalidade dos tributos de tudo o que se produz ou vende,
até da passagem da barca que atravessa o rio. Mas a evolução económica
está a determinar progressivamente a mudança.


6. Os séculos XV e XVI são tempos de glória. Vila do Conde ganha uma
dimensão nacional pela sua intervenção na gesta dos Descobrimentos
oceânicos, com a produção de seus estaleiros (caravelas e naus) e com o
saber de seus navegantes. É terra-mãe de marinheiros que acompanham Vasco
da Gama à Índia, de Gaspar Manuel, piloto-mor da carreira das Índias, da
China e do Japão, de Frei João que foi companheiro e amigo de S.Francisco
Xavier no Oriente. É significativo que D.João II tenha fundado a alfândega
e esse facto tenha sido determinante na independência da comunidade
burguesa em face do Mosteiro. Vila do Conde torna-se um município, recebe
o foral do rei D.Manuel I e, pouco depois, passa a ser um senhorio da Casa
de Bragança. Embora tenha uma autonomia controlada, a sua Autarquia exerce
doravante uma administração própria. A Igreja Matriz, a Casa da Câmara, o
Pelourinho, a Misericórdia, as casas manuelinas e outras obras da
constelação urbana que agora se levantam, mostram a cidade a crescer em
prosperidade e no sentido do Mar.


7. No século XVII, a estrutura urbana dilata e, resistindo à crise da
época, vai consolidando. O comércio externo faz-se, não só para o Norte da
Europa, mas também para o Brasil. É o tempo em que se erguem a Capela do
Socorro, o Hospital, o Castelo de
Capela de Nossa Senhora do Socorro
S.João Baptista, a igreja do Carmo e outras edificações de vulto. Mais
importante é o século XVIII com as suas casas palacianas, a obra extensa
do Aqueduto e a mole gigante do convento de Santa Clara. O alargamento do
espaço urbano é o grande acontecimento:Vila do Conde cresce para Norte,
com o povoamento de Poça da Barca, Areia, Regufe, Portas Fronhas e Casal
do Monte; cresce para Sul, com a construção do cais por enrocamento,
fazendo o aterro do Sub-mosteiro, domesticando o rio. É neste tempo que se
levanta a ponte de pedra a ligar as duas margens, acabando para sempre com
a barca da passagem


8. O século XIX é a época da grande revolução. Começa verdadeiramente a
história da autarquia contemporânea, com a instituição da liberdade
constitucional. Vila do Conde ganha um concelho de múltiplas freguesias,
consolidando-se como um grande município, acima e abaixo do Ave. Ruas e
avenidas novas rebentam os limites tradicionais: pelo meio da Vila, passa
a Estrada Real, avenida D. Luís I; para Ocidente, abrem-se as ruas de
Bento de Freitas e Eduardo Coelho que, ao fundo, recebem transversalmente
a avenida Júlio Graça; para Leste, a estação de caminho de ferro e a
fábrica da Companhia do Rio Ave; para Norte, começa o povoamento das
Caxinas; para Sul, montam-se duas pontes metálicas, rodoviária e
ferroviária, de ligação ao Porto.


9. O século XX continua esta explosão urbana: no desenvolvimento
económico, no aperfeiçoamento dos transportes, no aparelho de serviços
públicos; no progresso da Cultura e da Educação (o Ensino privado no
Grande Colégio de S.José e o Ensino Secundário com a inauguração da Escola
Técnica, em 1970), e também no progresso do Desporto (as provas de
Ciclismo e a fundação do Rio Ave
Avenida dos Banhos
Futebol Clube, no Campo da Avenida). O que era o movimento urbano de Vila
do Conde entre os Anos 30 e os Anos 60, media-se principalmente pelo
comércio da Rua das Hortas (Avenida Campos Henriques e, hoje, José Régio),
e da Praça da República, com lojas de ferragens, fazendas e louças, cafés,
confeitarias, restaurantes, mercearia, relojoarias, ourivesaria, garagens,
fotografia, barbearia, pastelaria, consultórios médicos, tudo para o
negócio e trabalho, à mistura com repartições públicas.

Vila do Conde era, então, o centro urbano e o seu concelho rural em
interacção permanente, visível nas feiras semanais de Sexta-Feira, e, de
modo espetacular na festa de S. João e na celebração do Corpo de Deus, com
procissão solene e tapetes de flores juncando sumptuosamente ruas e
calçadas do velho burgo.





10. Após o 25 de Abril de 1974, Vila do Conde dá um salto qualitativo em
frente, fomentando a prosperidade, acelerando o ritmo de progresso em
condições de Liberdade que durante o Estado Novo não conhecera, relançando
grandes empreendimentos urbanos - da Avenida Marginal ao novo estádio do
Rio Ave, da Escola Secundária à Alameda dos Descobrimentos.
Quando em Dezembro de 1987, Vila do Conde é promovida a Cidade, recebe a
merecida honra que consagra séculos de sacrifícios e triunfos, uma gesta
de grandeza documentada no seu riquíssimo património cultural -
monumentos, tradições, artesanato de suas rendas, praias, jardins, casario
ribeirinho, estaleiros, museus, teatro, cinema, imprensa, ranchos do Monte
e da Praça, instituições de convívio, solidariedade e Cultura em todas as
vertentes - tudo quanto é expressão criadora e se envolve na magnífica
paisagem urbana de uma terra de eleição que a natureza dotou de beleza
incomparável.


Festa do Corpo de Deus
(tapete de flores)



Autoria: Dr. Carmo Reis
(Professor de História)

Agradecimentos: Drª Marta Miranda
Directora da Biblioteca Municipal de Vila do Conde
(Fotografias retiradas da obra "Vila do Conde")

Realização: Equipa internet
99.Janeiro
 

 

 

Casa para férias na Guarda

 

Casa para férias na Guarda

 
     CASTELOS NO MUNDO
  

Setubal   Guarda   Almada    Castelos  Seia  Seixal    Sesimbra  Palmela  Arqueologia   Historia        Portugal no mundo

intercâmbio  ttt   Contactos    Publicidade

Copyright © swspt.

 

 


Buy Direct Text Link Ads at Direct-Link-Ads